O Potencial Perdido de Boardwalk Empire

Em tempos, a televisão era a versão pobre do cinema. Agora há séries tão boas que até há quem diga que a tv tá a trazer melhor conteúdo de entretenimento do que o cinema. Mas então e quando uma série é muito boa (mas muito boa mesmo) mas continua aquém do melhor que esta era de ouro da televisão nos tem dado? Boardwalk Empire foi uma delas.

Jimmy e Nucky 1024x389 

Boardwalk Empire tinha todo o calibre que qualquer série gostaria de ter: Era uma história passada durante a Lei Seca nos Estados Unidos da América; foi criada por Terence Winter, um argumentista que trabalhou em Os Sopranos (1999-2007) e O Lobo de Wall Street (2013); era transmitido na HBO , um dos poucos canais dispostos ao alto orçamento de uma série destas; e o seu episódio piloto foi realizado por Martin Scorsese. Como era de esperar, a série foi recebendo um alto número de críticas positivas e diversos prémios. Além disso, chegou a cinco temporadas, um número respeitável para uma série com um tema que sempre fora demasiado “niche” para se tornar mainstream.

No entanto, a duração de Boardwalk Empire também foi marcada por uma multitude de artigos que questionavam porque é que apesar da sua qualidade, a série não estava a manter a maior parte dos seus espectadores agarrados. Ainda por cima numa altura em que tinha um alto número de séries de alta qualidade a competir consigo. Tudo culminou numa última temporada mais curta do que as anteriores (com oito episódios em vez dos típicos doze) que teve de passar sete anos da narrativa à frente. E tudo o que restou deste série foi um legado relativamente fraco, com menos pessoas a ainda falarem dela do que de outras da HBO que duraram menos tempo (Roma ou Deadwood).

Como é que isso aconteceu? Como é que uma série tão boa como esta não é recordada entre as melhores séries de todos os tempos?

Moldura 1024x389

Comecemos pelo início.

Boardwalk Empire tinha a promessa de ser uma janela para os loucos anos 20. Algo que juntaria figuras históricas com personagens fictícias. Em si, facto com ficção. O seu protagonista era Nucky Thompson (Steve Buscemi), um político de Atlantic City com conexões a gangsters inspirado em Enoch L. Johnson.  Devido ao personagem ser interpretado por Buscemi, ele é mais franzino que o real. Outra grande diferença é que esta versão de Enoch morre no final da Lei Seca.

Uma das melhores cenas da série chega a estar no episódio final quando Nucky observa um protótipo de televisão, vislumbrando assim um futuro que não iria experienciar. Esta cena obviamente não teria funcionado se o personagem tivesse sobrevivido tanto tempo como o real (que chegou aos 85 anos).

Um personagem com ainda menos conexões à realidade foi o de Jimmy Darmody (Michael Pitt). Era inspirado por James H. Boyd mas maioritariamente original para a série e no início atuava como deuteragonista. Esta storyline possibilitava que a narrativa dividisse a sua atenção entre Nucky a controlar Atlantic CIty e Jimmy a ir ganhando poder com a ajuda de figuras históricas reais como Al Capone.

Al Capone 1024x389

Okay, então o Boardwalk Empire era um pouco como a série Roma: A janela para um tempo único mas com liberdades artísticas que beneficiavam a história e o drama. Assim, até aficionados pela história da Lei Seca vão ver acontecimentos na narrativa que não poderão prever.

E assim, a primeira temporada passou na televisão em 2010. Foi relativamente bem-recebida. Teve alguns bons momentos mas em geral foi relativamente esquecível. Isto porque não pareceu ter um rumo. O drama não foi integrado bem o suficiente nos conflitos de gangsters e os adversários principais à estabilidade de Nucky eram gangsters com pouco desenvolvimento.

A temporada foi apenas importante para introduzir as personagens e estabelecer a época.

Foi na segunda temporada que a série realmente mostrou todo o potencial que tinha. Fez Nucky e Jimmy, as duas personagens que pareciam até à data ser as principais, entrar em conflito pelo poder. Mas a série tomou uma abordagem inesperada em que circunstâncias da vida surgiam nas piores alturas e finalmente juntou o drama com a narrativa de gangsters mais Pulp de uma forma orgânica. A série também não fazia coisas só porque seriam “fixes”. Finalmente culminou ao cometer um grande risco: Matar Jimmy Darmody. De certa forma, este teria sido um final adequado para a série. A jornada de Jimmy era a mesma que a maior parte de histórias de gangsters tinham: Uma tragédia. Mas havia um problema. Na história ainda estávamos em 1922 e a Lei Seca ainda iria durar mais uma década.

Nucky 1024x389

Assim chegámos à terceira temporada. Desta vez foi introduzido um vilão gangster imprevisível: Gyp Rosetti (Bobby Cannavale). Foi introduzido a insultar todos os mafiosos “big shot” da sala, e logo aí notou-se que ele não poderia sobreviver durante muito tempo. Nesta temporada, a história ficou muito mais “pulp”. Focava-se menos no drama e procurava ter uma maior quantidade de surpresas bombásticas. Em si foi uma das temporadas que mais conseguiu entreter ao fazer exatamente o oposto do que a anterior tinha feito: Ter elementos na história que estavam lá para serem “fixes”. Mostrou outro potencial que a série tinha. Mas em si também introduziu um vilão e conflitos que nunca tinham chegado a acontecer na realidade. Não seria problema se esta fosse uma série que chegaria de certeza à décima temporada. Mas como as visualizações e o historial da HBO mostravam desde a 1ª temporada, isso nunca iria acontecer.

A quarta temporada foi  a mais fraca. A única narrativa interessante foi a de Richard Harrow (Jack Huston), uma personagem secundária das temporadas anteriores, que aqui recebeu uma morte trágica. De resto, mal me lembro do que aconteceu durante essa temporada. Até o novo vilão Dr. Valentin Narcisse (Jeffrey Wright) foi uma figura que não mereceu ter sido o centro da história durante toda a temporada e teve a falta do carisma que tinha tornado Jimmy e Gyp tão memoráveis.

Gyp Rosetti 1024x389

Infelizmente, as visualizações estavam demasiado baixas durante esta altura. Mas mesmo assim, a HBO deu à série uma quinta e última temporada. Mas esta teria apenas oito episódios, em vez dos anteriores doze. Como os criadores da série queriam culminar a narrativa no final da Lei Seca, esta foi obrigada a saltar sete anos na vida de Nucky. Mas havia um grande problema. A narrativa estava projetada para ter mais tempo. Por isso, várias “storylines” foram apressadas ou ignoradas. Por exemplo, Arnold Rothstein (Michael Stuhlbarg), um mafioso que tinha sido central durante as temporadas anteriores, morreu historicamente em 1928. Como a série saltou no tempo, ele simplesmente desapareceu da história. As outras personagens dizem de passagem que ele morreu. No que diz respeito ao drama, isso é incrivelmente anti-climático. Boardwalk também passou à frente o encontro entre gangsters de 1929 que moldou a Máfia como a conhecemos hoje.

Era nesta altura que Boardwalk teria beneficiado em ter tido mais liberdades históricas. Mas parece que só decidiram fazer isso com o Nucky. O que em si também tornou o seu destino numa repetição do de Jimmy. Se tivesse vivido até ser idoso como o Nucky real, haveria até o potencial de explorar a ideia de um criminoso que nunca é confrontado pelos seus pecados.

Assim, a série ficou dividida entre ser um drama ficcional e ser uma representação real de gangsters da época. Tal como Nucky no final observou um futuro que não viria a experienciar, também a série esteve sempre perto de ser uma das melhores do seu tempo… mas tal como Nucky, o seu tempo chegou ao fim antes do que estava à espera.

 


 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *